terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Missão cumprida para 43 alunos do Programa Brasil Alfabetizado

23:10 - quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

A possibilidade de entrar para o mundo da leitura se torna realidade para jovens e adultos de Canoas através do Programa Brasil Alfabetizado (PAB), criado pelo Ministério da Educação e desenvolvido na cidade pela Secretaria de Educação. Para alguns, foi a falta de continuidade nos estudos que impediu a conclusão do processo de alfabetização; para tantos outros, a escola jamais fez parte de suas histórias. De qualquer forma, é na dificuldade que todos os 43 alunos do Programa se agarraram para hoje poder mudar o presente e o futuro de suas vidas tocando no diploma de formatura do PAB.

A cerimônia de formatura dos alunos do programa aconteceu nesta noite, no auditório da SME, com ares de emoção e dever cumprido. A difícil tarefa de se dedicar aos estudos fez parte do cotidiano de jovens, mulheres, homens e idosos que enxergavam as letras e palavras apenas de longe. Hoje, estes cidadãos podem dizer que sabem ler, graças ao papel do Programa Brasil Alfabetizado. E é no jornal, nas cartas e nos livros que eles exercitam o que aprenderam com suas grandes professoras, Paula, Beatriz, Eleni e Edna, que nesta noite fizeram a entrega de um dos papéis mais fundamentais que podem ter: o diploma de alfabetização.

Com a presença da secretária adjunta de Educação Marta Rufato, do diretor de Educação Continuada Cesar Cemin, da coordenadora das turmas do PBA, Tânia Tomaszewski, da gestora do EJA em Canoas, Diovani dos Santos, de professores, formandos e familiares, a formatura marca uma importante vitória para a turma. Segundo Diovani, a proposta emancipadora, de aprendizagem coletiva, teve uma trajetória de diálogo e conquista. Para Marta, esta é uma etapa vencida. “Esta conquista ninguém tira, é de vocês; podem nos tirar todos os bens, mas não nos tiram o conhecimento”, disse a secretária aos alunos.

Além do tão sonhado diploma, os 43 formandos receberam um livro com detalhes e fotos colhidas durante a duração do curso. Nas páginas, declarações dos alunos demonstram a real dimensão do poder que agora usufruem: a alfabetização. Júlio Roberto Prates, morador da Comtel e um dos participantes do Programa Brasil Alfabetizado, agradece a Deus pela professora que o ensinou a ler. “Eu nunca soube ler, nunca pude aprender, agora eu estou achando ótimo entender as palavras”, declarou ele, com um sorriso de quem jamais esquecerá desse novo horizonte que se abre.

Amanda Utzig Zulke

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

I Seminário Internacional de Educação Continuada e Diversidade

Foi realizado nos dias 26, 27 e 28 de outubro, no Salão de Atos do Unilasalle, o I Seminário Internacional de Educação Continuada e Diversidade - VIII Seminário Municipal de Formação "A Escola Faz a Diferença". O evento, organizado pela Diretoria de Educação Continuada e Diversidade da Secretaria Municipal de Educação, visa a capacitação de professores e profissionais que atuam na área.

No primeiro encontro, na terça-feira à noite, os educadores puderam acompanhar a emocionante apresentação de dança “Os ventos da Espanha”, realizada pelos alunos da Associação Legato.


Após, foi abordado o tema “O Currículo na Escola da Diversidade”, apresentado pela Doutora em Educação Marilene Cardoso. Na ocasião, estiveram presentes a prefeita em exercício e secretária municipal da Saúde, Beth Colombo, o secretário municipal de Educação, Paulo Ritter, sua adjunta, Marta Ruffato, o diretor da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade - Secad, Armênio Schmidit, e o pró-reitor de Desenvolvimento do Unilasalle, Luiz Carlos Danesi.
A palestrante da noite, Marilene Cardoso, ressaltou a importância das ações pedagógicas terem o olhar da aprendizagem aceitando as diferenças. “Para isso é necessário que tenhamos uma nova práxis, não mais centrada na homogeneidade, mas sim em uma escola pensada para todos. Muitos ainda não estão preparados para trabalhar com o currículo da diversidade”, ressaltou.
O diretor da Secad observou que o MEC é apenas o indutor das políticas nacionais de inclusão e diversidade. “Quem viabiliza as ações são os estados e os municípios dentro das escolas públicas”, ressaltou. Schmidit destacou ainda a relevância do tema do seminário para vencer os preconceitos ainda existentes. “Uma pesquisa recente mostra que aquele que é preconceituoso tem preconceito contra tudo, o negro, o índio, o homossexual, o deficiente. Por isso, temos que levar o debate para dentro da escola. Iniciativas como este seminário são fundamentais para que a discussão esteja presente no cotidiano das instituições”, afirmou.
O secretário municipal de Educação, Paulo Ritter, destacou que a luta por uma educação que respeite os parâmetros da igualdade e da diversidade ainda é constante no século XXI. “A partir desta iniciativa espero que todos fortaleçam o papel de promotores da dignidade e da valorização da diversidade. Só assim, escola, sociedade e Estado poderão ser espaços coletivos de valorização das diversidades”, ressaltou.

A prefeita em exercício, Beth Colombo salientou que a inclusão verdadeira deve ocorrer no cotidiano de cada um. “A inclusão de verdade ocorre quando olhamos para o outro e não vemos apenas as dificuldades, mas sim sua capacidade de superação”, frisou.

Professores aprovam a iniciativa
O salão de Atos do Unilasalle ficou lotado. No primeiro dia de realização do seminário foram mais de 600 inscritos. Para a professa de Matemática da escola municipal de Ensino Fundamental João Paulo I, Miriam Heck, o seminário é fundamental para subsidiar os educadores que atuam com alunos de inclusão. “Iniciativas como essa contribuem significativamente para o nosso trabalho em sala de aula”, relatou. A vice-diretora e orientadora do Instituto Carlos Chagas, Magali Teresinha Souza Gomes, aprovou a troca de experiências proporcionada pelo evento. “Tenho certeza que aprenderei muita coisa aqui, tanto pelas palestras quanto pelo encontro com os colegas”, relatou.

Ações realizadas em Canoas
Canoas possui 945 alunos de inclusão. A cidade tem convênio com sete instituições filantrópicas privadas, disponibilizando 466 bolsas auxílio. O município investe em ações para melhor atender os estudantes portadores de necessidades especiais. Entre as iniciativas realizadas, estão as Salas de Recursos Multifuncionais, espaços localizados nas escolas de educação básica onde se realiza o Atendimento Educacional Especializado – AEE. Elas são constituídas de materiais didáticos, recursos pedagógicos e de acessibilidade, equipamentos específicos e de professores com formação específica. A implantação da estrutura está sendo realizada em três etapas. Na primeira, ainda no ano passado, 15 escolas foram contempladas. Na segunda foram beneficiadas 18 instituições que, atualmente, estão recebendo os recursos materiais destinados pelo Ministério da Educação – MEC. A terceira fase prevê a instalação de mais dez no primeiro semestre de 2011. “Atualmente, 18 escolas possuem o recurso destas salas. Nossa meta é a de que até o final do mandato da atual gestão todas as instituições do município usufruam desta estrutura”, destacou o secretário municipal de Educação, Paulo Ritter.
O município conta ainda com o atendimento do Centro de Capacitação em Educação Inclusiva e Acessibilidade – CEIA, que realiza atendimento a alunos com necessidades especiais no contra-turno das aulas.
Além disso, as instituições de ensino do município receberam reforma arquitetônica e de acessibilidade. “Quatro instituições já concluíram as adaptações e dez já finalizaram os planos de ação, que foram encaminhados para o Ministério de Educação para análise e liberação dos recursos financeiros”, destacou Ritter.
A segunda noite de realização do Seminário foi abrilhantada pela apresentação do grupo de danças do Centro de Capacitação em Educação Inclusiva e Acessibilidade – CEIA.

Um dos momentos mais aguardados pelos participantes foi a palestra do Mestre em Educação e Doutor em Educação Especial pela Universidade de Montreal, Canadá, Jean Robert Poulin. O especialista abordou o tema “O Desenvolvimento e a Aprendizagem da Pessoa com Deficiência Intelectual”.
O professor Poulin realiza pesquisas na área de deficiência intelectual, educação cognitiva e inclusão escolar, e atualmente trabalha no grupo de pesquisas da Universid
ade Federal do Ceará, como professor convidado.
Poulin elencou os critérios que são observados para classificar o deficiente intelectual: a funcionalidade intelectual abaixo da média, que pode ser detectada através de ferramentas como o teste de QI, e a falta de capacidade para tomar decisões de rotina do dia-a-dia, como pegar um ônibus ou escolher uma roupa. "Estes sintomas se manifestam do nascimento até os 16 anos", explicou.
O especialista observou ainda que frequentemente os educadores atuam de forma automática com estes alunos. "É tudo muito mecânico, pois acham que eles não têm capacidade intelectual alguma. O que não é verdade", ressaltou. Para explicar como o cérebro destas pessoas deve ser estimulado ele usou o exemplo da fisoterapia para recuperar uma fratura em um braço. "Com o exercício recupera-se os movimentos do braço, se não totalmente, pelo menos de forma parcial. Então, porque ainda existe este pensamento de que a pessoa com deficiência não pode aprender. Eles podem sim, e o dever do professor é estimular o raciocínio e facilitar as descobertas deles", afirmou.

O Seminário contou também com a palestra da Mestre em Educação Brasileira e Consultora do programa BPC - Benefício de Prestação Continuada na Escola, do MEC, Sandra Zanetti Moreira. Sua explanação abordou a temática “A Política Nacional Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva”. A educadora salientou que o MEC prioriza ações que garantam a permanência e o acesso dos deficientes ao processo de escolarização. "Além disso, buscamos o comprometimento das três esferas de governo, municipal, estadual e federal, com a acessibilidade e o apontamento das barreiras que possam vir a impedir estes estudantes de aprender com os demais", concluiu.
O encerramento do Seminário, na noite de quinta-feira, teve como tema a história e a cultura afro-brasileira, africana e inígena, e as políticas de educação continuada e diversidade da Secretaria Municipal de Educação - SME. Na ocasião, foram distribuídos quites pedagógicos para os representantes das 42 escolas municipais de Ensino Fundamental.
As abordagens foram apresentadas pelo professor graduado em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, Manoel José Ávila da Silva, e pelo Mestre em História Social/Escravidão, pelo Unilasalle, Raul Róis Schefer Cardoso. Ambos destacaram a importância de aprofundar o estudo das leis 10.639/2003 e 11.645/2008 que tratam da história afro-brasileira, africana e indígena, bem como de desenvolver propostas pedagógicas para o estudo das relações étnico-raciais. Na mesa, como mediador, o professor Alexandre Rafael da Rosa, da Unidade de Jovens e Adultos da DECD/SME.

O evento contou ainda com a bela apresentação do grupo Afroxé de Elê, de Alvorada, que presenteou o público com apresentações de dança que lembravam a história dos povos africanos.
O diretor do Departamento de Educação Continuada e Diversidade, da SME, César Cemin, comemorou o sucesso do evento. Segundo ele, o número de inscritos superou as expectativas da organização. "Tivemos de encerrar as incrições antes do período planejado. Foram mais de 700 participantes", relatou. Cemin frisou ainda a importância dos assuntos abordados durante todo o seminário, que teve início na quarta-feira, dia 26. "Trouxemos temas da atualidade para que os professores possam desenvolver um currículo diferenciado, buscando alternativas para o aprendizado dos alunos que apresentam algum tipo deficiência", destacou.
Ronaldo Ribeiro, gestor da Unidade de Inclusão da SME, observou que o seminário foi planejado desde o início deste ano com base em uma das diretrizes da educação especial, o da socialização das experiências inclusivas. "Um dos fatores que nos deixou muito satisfeitos foi a busca dos educadores por informações que pudessem auxiliá-los no trabalho desenvolvido em sala de aula", observou.

Texto elaborado e reproduzido em associação com o site da Prefeitura Municipal de Canoas - Patrícia Araujo

Debate na João Paulo I = Criacionismo x Evolucionismo


No início do mês de novembro, esteve na Escola João Paulo I, palestrando para os alunos da EJA, o químico e professor Leandro. Os estudantes puderam acompanhar uma exposição sobre os argumentos levantados pelas duas correntes, ou seja, defensores de uma e outra teoria. Foi uma oportunidade para questionarem e tirarem suas dúvidas. Porém, o que ficou subentendido é que as duas versões, tanto o Evolucionismo como o Criacionismo, não apresentam respostas definitivas para o dilema do surgimento do homem na face da Terra. Bem, se as interrogações continuam, a busca pelo conhecimento também.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Escola João Paulo I e ACE levam escritora para Escola


A leitura é uma prática indispensável no processo de aprendizagem, através dela formamos cidadãos críticos. É necessário envolver e estimular nossos alunos para que formem hábitos de leitura. A aproximação entre aluno e escritor é uma forma de motivar esta leitura.

Tendo como principal objetivo a formação de novos leitores, a EMEF João Paulo I está desenvolvendo com alunos da EJA o Projeto Escritores na Escola. Numa parceria com a Associação Canoense dos Escritores - ACE, entidade responsável pelo lançamento do Catálogo dos escritores locais, o livro “Conhecendo Canoas” da escritora Ivonete Chiden Pereira foi desenvolvido no Momento Literário, realizado com alunos da Alfabetização e do 1º Segmento, pela Profª Sandra Frozza do Incentivo à Leitura. Os alunos puderam conhecer a história de Canoas, o hino, a bandeira e o mapa do município. Foram trabalhadas atividades integrando a Linguagem, a Arte, as Ciências Humanas e Sociais.

A atividade culminou com o "Chá Literário" e a presença da escritora que falou sobre a importância da leitura na vida das pessoas e de como conseguiu realizar o sonho de escrever um livro.


Escola João Paulo I - Divulgação


segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Encontro dos professores da EJA propicia troca de experiências entre docentes


O encontro mensal de formação dos professores da Educação de Jovens e Adultos – EJA teve, nesta quarta-feira, um diferencial: o relato dos educadores sobre os projetos desenvolvidos em sala de aula. Foi esta também a primeira vez que a capacitação foi realizada em dois locais. Na sede da SME a capacitação foi dirigida aos professores da alfabetização e do 1º segmento e na AABB aos educadores do 2º segmento.
A coordenadora da alfabetização da EJA no município, Tânia Tomaszewski, destaca que o objetivo do encontro foi o de oportunizar a troca de experiências entre os educadores. “Compartilhar as informações sobre o que foi realizado em cada eixo temático estudado é muito importante para a qualidade do aprendizado dos alunos”, observa.
A professora do 1º segmento da EJA na escola João Paulo I, Claudia Valéria Knewitz Perez, aprovou a dinâmica. “Desta forma, um contribui com o outro e não nos sentimos sozinhos na sala de aula. Leciono há 23 anos e estou sempre aprendendo, pois considero isso fundamental em minha profissão”, afirma.
Na ocasião, foram apresentadas três coleções de livros indicados pelo Programa Nacional do Livro Didático – PNLD, do Ministério da Educação – MEC, para a EJA. Os educadores escolheram de forma democrática quais os que serão utilizados no próximo ano letivo.

Patrícia Araujo - Secretaria de Comunicação


Na Sede da AABB, os professores do 2º Segmento tiveram a oportunidade de apreciar os projetos elaborados pela EJA das escolas Carlos Drummond de Andrade, Vitória, Paulo VI e João Paulo I, de acordo com os Eixos Temáticos. Também ocorreu a apresentação dos livros didádicos de algumas editoras elaborados especialmente para a Educação de Jovens e Adultos, a fim de que se efetuasse a escolha deste material para o próximo ano. Uma das novidades do Encontro foi a presença de alunos da Escola João Paulo I, que deram depoimentos sobre o processo de aprendizagem e o significado em suas vidas.



terça-feira, 28 de setembro de 2010

Projeto OAB Vai à Escola

Nesta segunda-feira, 27/09/2010, os alunos da EJA da EMEF Rio de Janeiro foram contemplados com a palestra sobre Direito de Família ministrada pela Drª Selma Valêncio Cesário, acompanhada pela prof. Zenaide Rocha da SME, dentro do Projeto "OAB VAI À ESCOLA", em sua 21ª edição.
No horário das 19h às 20h30min, 81 estudantes e aproximadamente 6 professores acompanharam as explanações e tiraram suas dúvidas referente a este importante tema.

Professores da EJA têm encontro de formação nesta quarta-feira

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Aproximadamente 150 educadores que atuam na Educação de Jovens e Adultos - EJA em Canoas participam amanhã, quarta-feira, dia 29, do Encontro de Formação organizado pela Secretaria Municipal de Educação – SME e o Instituto Integrar. A iniciativa será realizada às 18h30 em dois locais. Os professores da alfabetização e do 1º segmento devem se dirigir à sede da SME, localizada na Rua 15 de Janeiro, 481, segundo piso do Conjunto Comercial. Já os docentes do 2º segmento receberão a capacitação na AABB, situada na Rua Santa Terezinha, 860, bairro Nossa Senhora das Graças.
Na ocasião, professores de diversas instituições irão apresentar projetos que desenvolvem em suas instituições. Além disso, haverá orientações quanto a escolha dos livros didáticos.

Patrícia Araujo - Secretaria Especial de Comunicação

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Cinema em sala de aula: alunos da EJA aprendem através da sétima arte

Quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Ao invés do quadro-negro e das citações dos professores, uma sessão de cinema em plena sala de aula estimula o aprendizado dos alunos da EJA da escola João Paulo I, localizada no bairro Santo Operário, em Canoas. A iniciativa, idealizada pelos professores da instituição, tem nome: Cineja. Ela incentiva os estudantes a raciocinar, pesquisar, questionar e redigir, além de capacitá-los a pensar o mundo e suas circunstâncias.
De acordo com o professor Alexandre Rafael da Rosa, a metodologia rompe com o ensino tradicional, no qual o educador apenas transmite o conteúdo, raramente despertando o real interesse dos alunos. “Nosso objetivo, obedecendo à proposta da Secretaria Municipal de Educação de descentralizar o acesso ao conhecimento, foi o de aproximar os eixos temáticos estudados em sala de aula, do cotidiano dos estudantes. Além da exibição de filmes e documentários, há a inclusão de outras tecnologias como o envio de trabalhos por e-mail, a utilização de músicas, de vídeos do youtube, bem como o uso do power point”, explica.
Na noite desta quinta-feira, 23, houve a exibição do filme A Bíblia, que aborda a questão do criacionismo, sob o ponto de vista religioso. Anteriormente, os estudantes acompanharam o filme Criação, que trata do mesmo assunto, porém sob a óptica científica. Os filmes foram selecionados considerando-se o eixo atual em estudo “Povos, Cultura e Conhecimento”, no qual a temática é a evolução.
Em poucos minutos, duas salas de aula ficaram lotadas de alunos ávidos pela exibição do filme. No entanto, antes de dar início à sessão de cinema, o professor orienta quanto à proposta de trabalho e explica que após a exibição, os questionamentos serão respondidos em dupla. “O filme é um instrumento para a compreensão, precisando não apenas ser visto, mas pensado e discutido. Por isso, também fazemos debates e estimulamos a elaboração de textos. Eles participam, tomam posições, defendem seus pontos de vista, indagam. A aceitação é excelente.”, garante.
Após três décadas longe dos bancos escolares, o eletricista Amarildo Ribeiro Padilha, 45 anos, reencontrou o prazer de estudar. “Acho formidável esta forma dos professores nos transmitirem o aprendizado”, afirma. Conversando com a irmã que também frequenta a EJA, porém em outra escola, a babá Silvia Alves, 31 anos, percebeu a diferença de seu conhecimento. “Percebo que tenho mais senso crítico do que ela e adquiri isso através da forma como nos passam os conteúdos na escola. Somos levados a sair da zona de conforto e questionar, debater. Não ficamos apenas no que está escrito nos livros”, observa.
No dia 29, durante o Encontro de Professores da EJA, que será realizado na AABB, a metodologia será apresentada aos demais educadores do município. “Nossa intenção é compartilhar esta experiência e incluí-la nas demais instituições da cidade”, afirma Rosa.

Patrícia Araujo - Secretaria Especial de Comunicação

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Formação da EJA conta com a presença do Prof. Luiz Percival


Os professores da EJA de Canoas em parceria com o Instituto Integrar, receberam nos dias 02 e 03 de agosto, o Prof. Luiz Percival Leme Britto, que palestrou em nosso curso de formação abordando os temas “Fundamentos da EJA” e “Currículo e Educação em EJA”, promovendo um momento importante de reflexão e discussão sobre os desafios da EJA na atualidade, enfatizando a leitura e a escrita como instrumentos de estudo. Além das palestras, sugeriu um levantamento do perfil do professor da EJA em nosso município como forma de conhecermos melhor nosso quadro docente para aprimorar as propostas de trabalho e suas aplicações. Também enfatizou a crescente juvenilização da EJA associada a necessidade de um programa voltado somente para jovens.

Quem é Luiz Percival Leme Britto? Professor com graduação em Letras pela Universidade Estadual de Campinas (1983), mestrado em Lingüística pela Universidade Estadual de Campinas (1988) e doutorado em Lingüística pela Universidade Estadual de Campinas (1997). Atua na área de Educação e Linguagem desde 1982, como pesquisador, professor, formador de professores e realizando assessoria em vários níveis de ensino para diferentes instâncias administrativas e organizações sociais. Foi presidente da Associação de Leitura do Brasil entre 1994 e 2006. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Cultura Escrita, atuando principalmente nos seguintes temas: Leitura, Cultura Escrita, Ensino da Língua Portuguesa em nível Fundamental e Médio, Educação Superior e Educação de Jovens e Adultos. Atualmente é professor da Universidade Federal do Oeste do Pará desde abril de 2010.

Inclusão Digital para alunos do Programa Brasil Alfabetizado

Os alunos das turmas de alfabetização de adultos do Programa Brasil Alfabetizado estão participando de oficinas de inclusão digital, realizadas no Núcleo Tecnológico Municipal – NTM, na Secretaria Municipal de Educação. Uma ou duas vezes por mês os alunos vêm até o NTM para familiarizarem-se no uso das novas tecnologias, realizando atividades de escrita, leitura, pesquisa e jogos de alfabetização na internet.

Depoimentos:

“Eu fui lá na Secretaria de Educação em Canoas. Gostei muito do ambiente e das professoras. Elas são muito legais. Gostei de mexer no computador. Escrevi meu nome, o nome da professora Paula e da colega Luci. Joguei os joguinhos que são muito legais. O passeio foi maravilhoso.” Maria da Glória Silva Schirmann (57 anos)– aluna da turma do Centro Social Urbano Mathias Velho.

“Essa questão do acesso à tecnologia é importante porque é o início do caminho para a democratização da informação. Quanto mais pessoas tiverem acesso ao computador e à internet, haverá maior divulgação das diferentes opiniões e possibilidade de avaliar diversas formas de pensamento que hoje nos são oferecidas pelos blogs e redes sociais. A inclusão digital é um dos principais elementos para a inclusão social.” Vanessa Domingues – Coordenadora do NTM-PROINFO, da Secretaria Municipal de Educação.

“Eu gostei muito e quero voltar novamente. A gente pega muita amizade entre as pessoas. Eu quero aprender a lidar com o computador.” Jurandir Luiz de Oliveira (72 anos) – aluno da turma do Centro Social Urbano Mathias Velho.

“Fui na aula de informática e gostei muito. Gostaria de ir mais uma vez. Se eu pudesse freqüentar as aulas para mim seria bom. Eu sempre quis entrar na aula de informática.” Ubaldina Lucas Cardozo (80 anos) – aluna da turma do Centro Social Urbano Mathias Velho.

“Fazer parte de um processo de inclusão, seja ela de qualquer nível, é extremamente gratificante. Trabalhando com a alfabetização da terceira idade percebi a necessidade da inclusão digital. A formação de um cidadão passa pelo processo de acesso a todos os seus direitos e num mundo globalizado a informática está cada vez mais presente. Ver a alegria e o orgulho nos olhos destes alunos cidadãos ao adentrarem neste mundo é muito gostoso!” Paula dos Reis Domingues – professora alfabetizadora da turma do Centro Social Urbano Mathias Velho.


“Os alunos do Brasil Alfabetizado da turma da EMEF João Paulo I também utilizam o Laboratório de Informática da escola regularmente. Fizeram pesquisas buscando informações sobre o escritor paulistano Fernando Bonassi. A emoção foi muito grande e acredito ter sido um momento bastante produtivo e inusitado em suas vidas.” Beatriz Pimentel – professora alfabetizadora da turma da EMEF João Paulo I.


Tânia Márcia Tomaszewski

Coordenadora do Programa Brasil Alfabetizado na SME

terça-feira, 29 de junho de 2010

Acompanhe a formação da EJA

O encontro dos profissionais da EJA, nesta quarta-feira, 30/06, entre 18h30m e 22h, terá a seguinte dinâmica no trabalho de formação dos professores:

Local: EMEF Rio de Janeiro (Rua Antônio F. Alves, 900 - Loteamento Figueiras)

Grupo 1 - Áreas das Ciências Naturais e Matemática
Coordenação: Profª Cleusa (UFRGS) e Prof. Leandro (UEJA)

Grupo 2 - Professor Articulador e Incentivo à Leitura e Pesquisa
Coordenação: Prof. Renato Medeiros (UEJA)

Local: EMEF Duque de Caxias (Rua Monte Castelo, 975 - Nossa Senhora das Graças)

Grupo 3 - Área das Linguagens, seus Códigos e Tecnologias + Prof. Ed. Física + Área das Ciências Humanas e Sociais
Coordenação: Profª Soloá (INTEGRAR) e Profª Rejane Ledur (UEJA)

Grupo 4 - 1º Segmento
Coordenação: Profª Margarete Flores (UEJA) e Profª Ivone Fontoura (UEJA)

Obs:
As professoras de Alfabetização estão dispensadas nesta noite e serão convocadas posteriormente para uma reunião com a Profª Tânia.
O dia de formação dos professores da EJA tem caráter de convocação, sendo necessário justificar as faltas para a UEJA.

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Alunos da EJA participam de Seminário

Um grupo de alunos da EJA esteve representando algumas escolas no Seminário sobre Ética na Gestão Pública. O evento, ocorrido no dia 23/06, quarta feira à tarde, no Salão de Atos do UNILASALLE, fez parte da Semana de Canoas, alusiva aos 71 anos de emancipação do município. Esses mesmos alunos serão multiplicadores em suas escolas dos conhecimentos adquiridos através das palestras proferidas pelos profissionais convidados: Denis Rosenfield, Aldo Fornazieri, Lenio Streck e Geraldo Da Camino. Além da ética, foram abordados temas como moralidade, legalidade, direito e valores. Participaram os alunos Carmen Z. Cipriano (EMEF Duque de Caxias), Leonardo R. Pereira (EMEF Carlos Drummond de Andrade), Joice Bonete Pereira (EMEF Max Oderich), William Pagini (EMEF Irmão Pedro), Ivo Nunes Dias e Silvia da Silva Alves (EMEF João Paulo I).

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Alunos da EJA e do Programa Brasil Alfabetizado participam de Concerto Didático da Orquestra de Câmara da ULBRA

Na quarta-feira, dia 16 de junho, no turno da noite, alunos da Educação de Jovens e Adultos e do Programa Brasil Alfabetizado tiveram a oportunidade de assistir a apresentação da Orquestra de Câmara da ULBRA que realizou dois Concertos Didáticos para a rede municipal de ensino de Canoas. Nas sessões os alunos foram apresentados a uma orquestra, conheceram os diferentes instrumentos de corda, os timbres graves e agudos, a função do maestro, da batuta e interagiram com o boneco Gaudêncio na audição do programa. O programa incluiu composições de distintos períodos da história da música, como Pachelbel, Handel, Strauss, Hulsberg, Holst e de compositores brasileiros como Carlos Gomes e Guerra-Peixe.
Participaram da atividade alunos das escolas municipais Nelson Paim Terra, João Paulo I, Odette Freitas, Rio de Janeiro, Paulo VI, Irmão Pedro, Guajuviras, Max Oderich, Edgar Fontoura e os alunos do Programa Brasil Alfabetizado, das turmas da COMTEL e DIQUE do Canil.
Para a maioria dos espectadores, foi a primeira vez que assistiram a apresentação de uma orquestra que os envolveu com repertório variado e atuação didática do maestro e dos músicos. Os alunos foram preparados pelos seus professores para participar da atividade e receberam antecipadamente uma cartilha ilustrada contendo informações sobre a Orquestra de Câmara da ULBRA.

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Nkosi Sikelel' iAfrika (Deus abençoe a África)

No momento em que a Copa do Mundo chega a todos os quadrantes da Terra diretamente da África do Sul, abre-se uma porta para conhecermos um pouco mais deste país e deste continente.Listamos aqui alguns filmes sobre a África com os quais os professores podem trabalhar e desenvolverem atividades junto aos alunos visando um aprofundamento maior sobre a realidade do povo africano. "AMANDLA".


video

Mandela – A Luta pela Liberdade (Goodbye Bafana)
Elenco: Dennis Haysbert, Diane Kruger, Joseph Fiennes, Faith Ndukwana, Terry Pheto.
Direção: Bille August
Gênero: Drama / Duração: 140 min.
Distribuidora: Europa Filmes
Sinopse: A história de um guarda branco e racista na África do Sul do apartheid. Sua vida foi alterada depois de passar 20 anos guardando a cela de Nelson Mandela.

Em Minha Terra (Country of My Skull)
Elenco: Samuel L. Jackson, Juliette Binoche, Brendan Gleeson , Menzi Ngubane , Sam Ngakane
Direção: John Boorman
Gênero: Drama / Duração: 100 min
Sinopse: Jornalista negro norte-americano é enviado à África do Sul, em 1995, para fazer a cobertura dos depoimentos ouvidos na Comissão da Verdade e Reconciliação, que julga os brutais crimes cometidos durante o período do apartheid.

Um Grito de Liberdade (Cry Freedom)
Elenco: Denzel Washington, Kevin Kline, Josette Simon, Juanita Waterman
Direção: Richard Attenborough
Gênero: Drama / Duração: 157 minutos
Sinopse: A tensão e o terror do Apartheid na África do Sul é poderosamente retratada neste emocionante filme, que nos conta a história do ativista negro silenciado pela polícia Stephen Biko e de um editor liberal de um jornal branco que arrisca a sua própria vida para divulgar ao Mundo a mensagem de Biko.

Mandela - Um Grito de Vitória (Mandela)
Elenco:F.W. de Klerk ( Himself) Nelson Mandela (Himself) Winnie Mandela (Herself) Eugene Terre'Blanche (Himself (AWB Party)
Direção:Angus Gibson, Jo Menell e Shijie
Gênero: Documentário - Biografia / Duração: 118 min.
Sinopse: A instauração do regime do apartheid, em 1948, regulamentando sob a força da lei a dominação da minoria branca sobre a maioria negra, provocou uma política segregacionista no país, levando Mandela a encorajar protestos pela via da não-violência. Com sua esposa Winnie, Mandela compartilhou a luta pelo mesmo ideal e encontrou nela o apoio para percorrer seu caminho de resistência ao regime, mesmo durante os 27 anos que ficou na prisão após seu julgamento e condenação em 1964. O que não impediu que ele ganhasse o Prêmio Nobel da Paz em 1993.


Invictus (Invictus)
Elenco: Morgan Freeman , Matt Damon , Tony Kgoroge , Patrick Mofokeng , Matt Stern
Direção: Clint Eastwood
Gênero: Drama / Duração: 134 min
Sinopse: Eleito presidente, Nelson Mandela tinha consciência que a África do Sul continuava sendo um país racista e economicamente dividido, em decorrência do apartheid. A proximidade da Copa do Mundo de Rúgbi, pela primeira vez realizada no país, fez com que Mandela resolvesse usar o esporte para unir a população em torno da equipe sul-africana e incentiva a seleção nacional a ser campeã.


CORAL DE CANOAS SE APRESENTA NA JOÃO PAULO I


O Cocan (Coral de Canoas) fez uma apresentação na noite de 09 de junho para alunos e professores da EJA na EMEF João Paulo I. O espetáculo faz parte do Projeto "Concertos Didáticos" desenvolvido pela entidade. O Cocan já teve oportunidade de levar a arte musical para outras escolas, sendo que na mesma noite havia realizado uma primeira apresentação na EMEF Rio de Janeiro.

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Reunião de Coordenadoras e Supervisoras

“Não é no silêncio que os homens se fazem, mas na palavra, no trabalho, na ação-reflexão.”                                                                                                                                Paulo Freire

As Coordenadoras e Supervisoras das escolas de EJA se reúnem quinzenalmente com os Gestores da Unidade EJA para discutir, estudar e aprofundar as questões pedagógicas relacionadas com a reestruturação da Educação de Jovens e Adultos na Rede Municipal de Canoas.

Os encontros têm a coordenação da professora Soloá Citolin, do Instituto Integrar, que é responsável pela formação pedagógica da EJA e tem realizado uma escuta sensível das necessidades e inquietações do grupo para, posteriormente, subsidiar as coordenadoras com referenciais teóricos e práticos que possam auxiliar no processo de construção de uma política pedagógica para a EJA.

Nos encontros que já ocorreram neste ano foram realizados estudos sobre a organização do currículo por eixos temáticos, conceitos e categorias de análise, trabalho por áreas do conhecimento, processo avaliativo na nova organização curricular, linguagens pedagógicas, teoria de Maslow, entre outros assuntos que são demandados pelo grupo de coordenadoras. Os encontros também têm proporcionado a troca de experiências entre as escolas e o fortalecimento das ações da EJA.

Na quarta-feira, dia 27 de maio, as coordenadoras e supervisoras estiveram reunidas na SME para discutir e iniciar a construção do processo de avaliação na EJA a partir das discussões que estão ocorrendo com os professores nas respectivas escolas.